“Valentina correspondeu bem ao tratamento”, relata mãe da criança 


Voltar para Blog

“Valentina correspondeu bem ao tratamento”, relata mãe da criança 

Menina foi diagnosticada com atrofia muscular espinhal aos cinco meses de vida; ela precisou ser medicada com Zolgensma, remédio estimado em R$ 12 milhões

“Desde a aplicação [do remédio], a qualidade de vida da Valentina melhorou bastante”, relata Luciana Matricardi Domingues Brandini, mãe da criança. A pequena Valentina, agora com dois anos de idade, foi diagnosticada com o grau mais elevado de AME (atrofia muscular espinhal) aos cinco meses de vida, em setembro de 2020, e seu caso gerou comoção em Presidente Prudente e região. 
A história de luta da família de Valentina pela aquisição do medicamento Zolgensma, essencial para o tratamento e cura da doença, foi tema recorrente nas páginas de O Imparcial entre o final de 2020 e meados de 2021. A dose única do remédio é orçada em quase R$ 12 milhões, sendo considerado o medicamento mais caro do mundo. Em agosto do ano passado, a família da pequena conseguiu junto à Justiça a aquisição do Zolgensma por meio da União. “Saiu um peso das costas, pois vivíamos apreensivos para que ela conseguisse o medicamento. Nossa vida parou, foi uma luta muito grande”, conta Luciana, com quem a reportagem voltou a conversar para saber como Valentina tem reagido ao tratamento da atrofia muscular espinhal, após a aplicação do remédio. 
“A Valentina correspondeu bem ao tratamento”, narra a mãe da criança. “Ela sofreu o mínimo dos efeitos colaterais esperados no primeiro mês. Vimos um primeiro sinal de melhora na parte respiratória dela já no primeiro mês pós-Zolgensma e a função motora das mãozinhas também logo de início já notamos melhora”, explica Luciana. Segundo a mãe da pequena, desde a aplicação do remédio, Valentina tem mais força para respirar sozinha e não necessita fazer o uso do respirador com tanta frequência como antes. “Atualmente, ela utiliza apenas na hora de dormir”, reforça. 
Sintetizada no relato da mãe de Valentina, outra percepção da família quanto à evolução da garota ao tratamento foi em relação à parte motora. “Ela já está conseguindo sustentar a cabeça e está adquirindo a habilidade de sentar sozinha, algo que ela nunca chegou a fazer. Já consegue pronunciar algumas palavrinhas e ganhou força até mesmo nos sons pronunciados e nos gritos. Até o choro está mais forte”, conta Luciana.  

“Os desafios não acabaram”

O Zolgensma foi um divisor de águas na vida de Valentina, no entanto, apenas a aplicação do remédio não garante à criança sua recuperação total. “Por isso, a importância das terapias e do melhor suporte para a reabilitação dela”, explica a mãe da garota. Luciana realça que “os desafios não acabaram”, até porque Valentina segue uma rotina de reabilitação intensa no dia a dia, com sessões de fisioterapia motora e respiratória, hidroterapia e fonoaudiologia. 
“Começa de manhã e vai até o final da tarde. Ela segue com acompanhamento também com neuropediatra, pediatra e nutricionista”, adiciona Luciana ao relato. A mãe da pequena Valentina considera a filha uma grande guerreira por se esforçar, dedicar e colaborar ao tratamento diário. 

Valentina segue uma rotina de reabilitação intensa no dia a dia, com sessões de fisioterapia motora e respiratória, hidroterapia e fonoaudiologia

Valentina é prova viva”, completa Luciana, ao destacar a fonte de força em prol da superação da filha e da família em um caso tão delicado como o de Valentina. 

Valentina, agora com dois anos de idade, foi diagnosticada com o grau mais elevado de atrofia muscular espinhal aos cinco meses de vida

Família foi incansável na luta pelo direito de Valentina a ter acesso ao Zolgensma

O Imparcial

Compartilhar esta postagem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar para Blog

APOIADO POR: