Ministro da Saúde diz que irá antecipar vacinação de professores


Voltar para Blog

Ministro da Saúde diz que irá antecipar vacinação de professores

Em reunião com prefeitos, Eduardo Pazuello informou que a expectativa é alterar o cronograma e contemplar esse grupo até marçoO ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse a prefeitos nesta sexta-feira que a pasta deve alterar o cronograma para vacinar professores mais cedo. A expectativa é que isso ocorra até março.

A informação foi divulgada pela Frente Nacional dos Prefeitos, que solicitou a reunião com o ministro.O pedido era feito pelos prefeitos como estratégia para retomar as aulas presenciais no país. O Ministério da Saúde, no entanto, ainda não tinha concordado com a possibilidade.No encontro, Pazuello também informou que a pasta deve alterar a estratégia de vacinação contra a Covid-19. A partir de agora, cidades não precisam mais reservar a segunda dose da vacina Coronavac para ser aplicada. A justificativa é que já há maior garantia de produção, o que permitiria um envio posterior, em novas remessas.”Agora, a partir do dia 23, com a chegada de 4,7 milhões de novas vacinas, a imunização será em 4,7 milhões de brasileiros, não a metade, como estava acontecendo até então”, informou a frente.

A medida atende a uma demanda dos prefeitos. Nos últimos dias, ao menos cinco capitais tiveram que interromper suas campanhas de vacinação devido à falta de doses. O ministério, porém, ainda orientava manter reservado o volume da segunda dose da Coronavac, alegando que ainda não tinha um cronograma claro de entregas.O prazo para aplicação da segunda dose para essa vacina é de 14 dias até 28 dias. Já no caso da AstraZeneca, o intervalo é de três meses – neste caso, já não havia previsão de reserva.Segundo informações apresentadas pela pasta na reunião, as 4,7 milhões de doses devem ser enviadas até o dia 28. Destas, 2 milhões seriam da AstraZeneca, importadas da Índia, e 2,7 milhões da Coronavac, que é produzida pelo Instituto Butantan.

A expectativa é que haja distribuição de mais 21 milhões de doses em março – daí a possibilidade de calcular outra remessa para a segunda dose da Coronavac.Autonomia para compraAinda na reunião, alguns prefeitos disseram ao ministro ter disponibilidade para adquirir vacinas caso haja apoio do ministério. A situação ocorre em meio a críticas de atraso do governo federal na negociação de novos contratos e baixo fornecimento inicial de doses.”Não queremos disputar com o governo, mas seria importante permitir que Estados e municípios pudessem comprar para garantir a imunização”, disse o prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM).Em resposta, segundo a FNP, o ministro pediu que cidades tenham “paciência” e afirmou que a produção de vacinas deve crescer nos próximos dias.Segundo o presidente da frente, Jonas Donizette (PSB), Pazuello disse que empresas que tiverem vacinas para vender podem enviá-las ao ministério para compra.

Nos últimos meses, no entanto, a pasta tem tido embates com algumas empresas que tentaram acordos, como a Pfizer.Leitos de UTIPrefeitos também aproveitaram o encontro para cobrar uma posição do Ministério da Saúde sobre o financiamento de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) contra a Covid.Conforme publicou o jornal Folha de S.Paulo, o número de leitos de UTI habilitados pelo ministério – modelo que permite que recebam recursos federais – tem tido queda e pode zerar em março caso não sejam adotadas novas medidas.Na reunião, Pazuello voltou a defender que haja uma mudança no critério de pagamento. Hoje, o custeio ocorre de forma antecipada, independentemente da ocupação, em uma estratégia para garantir que os leitos continuem abertos.

Já o ministro sugere que o pagamento seja feito apenas após o uso.A proposta gerou preocupação entre os representantes que estavam na reunião. “O primeiro critério para abertura da economia é o número de leitos de UTI disponível. Se vai pagar só pelo leito com pessoa deitada, vai contra esse critério”, afirmou Donizette.Segundo ele, o grupo sugeriu que seja feito um escalonamento, em que a pasta custearia 100% do valor para leitos ocupados e 70% para leitos disponíveis e reservados para a Covid, mesmo sem ocupação. O ministro disse que vai analisar a proposta.Participaram do encontro os prefeitos de Manaus, Aracaju, Belém, Curitiba, Porto Alegre, Cuiabá, Salvador, Rio de Janeiro e Ribeirão Preto.

Fonte: FOLHAPRESS

Compartilhar esta postagem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Voltar para Blog

APOIADO POR: